sexta-feira, 1 de abril de 2016

Oka Restô e Pub e cervejaria mineira lançam cerveja artesanal com álcool que deixa você descolado, mas não deixa porre





Não é de hoje que o Oka Restô e Pub vem inovando no mercado cametaense e mais uma prova disso é o lançamento da sua primeira cerveja artesanal, a "Peixada Beer", que por sinal, tem em sua composição algo inusitado que não deixa as substâncias do álcool afetarem o sistema nervoso, ou seja, deixa você descolado, porém, sem ficar porre.

Feita em parceria com a cervejaria mineira “Minas de Cevada”, que já atua no mercado de cervejas artesanais há mais de 15 anos. A primeira cerveja do Oka Restô e Pub promete agradar os amantes de uma boa cerveja lager. A cerveja é ideal para carnes brancas como peixes e frutos do mar.

O segredo da composição está no fermento Lallemand Nottingham, que dá um teor alcoólico de 5%, porém inibe a absorção do álcool pelo organismo.

Pensou que você verdade? Então, essa é a nossa brincadeira do dia 1º de abril. Usamos o tema sobre o consumo do álcool para atrair os nossos seguidores, a fim de estimular uma reflexão sobre o assunto.

Provavelmente, você já ouviu alguma vez na sua vida que beber uma taça de vinho por dia faz bem ao coração. Se o teu médico é bom, provavelmente ele falou que uma dose de cachaça faz o mesmo serviço e ”de quebra” também limpa o sangue!

Brincadeiras à parte, vamos aos fatos: toda a bebida com álcool potencialmente pode fazer bem à saúde! Isso mesmo, cerveja, vinho, cachaça todas elas tem álcool na sua composição – em diferentes proporções é claro – e é ele que se consumido com cautela pode fazer bem à saúde.

Mas calma aí, deixa a gente explicar esse potencialmente. Por incrível que pareça ainda não existem estudos conclusivos sobre o tema, para você ter uma ideia fatores como: herança genética, padrão de consumo, peso, se você é homem ou mulher todos influenciam na hora de tirar vantagem dos benefícios do consumo consciente do álcool.

Sabemos que o álcool atua como um depressor de muitas ações no Sistema Nervoso Central (SNC) e seus efeitos sobre este são dose-dependentes. Em pequenas quantidades, o álcool promove desinibição e pode fazer bem a saúde, mas com o aumento desta concentração, o indivíduo passa a apresentar uma diminuição da resposta aos estímulos, fala pastosa, dificuldade à deambulação, entre outros. Em concentrações muito altas, ou seja, maiores do que 0.35 gramas/100 mililitros de álcool, o indivíduo pode ficar comatoso ou até mesmo morrer.

A Associação Médica Americana considera como uma concentração alcoólica capaz de trazer prejuízos ao indivíduo 0.04 gramas de álcool/100 mililitros de sangue. Os números da Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Outras Drogas (Abead) não deixam dúvidas: álcool e direção não combinam. Em 61% dos acidentes de trânsito registrados no Brasil, o condutor havia ingerido bebida alcoólica. Entre os casos fatais, o índice sobe para 75%.

A substância prejudica uma capacidade indispensável ao motorista: a percepção. Sem ela, ocorre a diminuição dos reflexos e aumentam as chances de ocorrer um desastre. Dependendo de fatores como idade, sexo, massa corporal, sensibilidade ao álcool e estado emocional, os efeitos podem ser ainda piores.


SE BEBER, NÃO DIRIJA! BEBEU? CHAMA O TÁXI OU MOTO-TÁXI!



Oka Restô e Pub com informações de http://www.cisa.org.br/ e http://www.antidrogas.com.br